14/12/2009

BEM VINDO (a)



Este Blog foi criado com o intuito de informar aos que tem curiosidade e interesse de saber o que a Escola Tradicional deixou de nos mostrar.

Ao acompanhar os textos, estará abrindo sua mente para uma realidade que muitos ainda não têm conhecimento, mas, que está entre nós desde o começo.

As Postagens seguem um raciocínio, sendo recomendado começar a leitura pela mais antiga, abaixo os títulos em sua seqüência:

  • Quem Somos Nós? ;

  • Eu Superior;

  • Partículas;

  • Almas Gêmeas;

  • GNA;

  • Naves,

  • Sondas e Caneplas.

Recomendamos a visita aos Blogs de seqüência:

http://frequencia-1.blogspot.com
http://frequencia-2.blogspot.com
http://frequencia-4.blogspot.com

Indicamos também:


http://mental-1.blogspot.com
http://mental-2.blogspot.com
http://mental-3.blogspot.com
http://mental-4.blogspot.com

Para maiores informações, mande um e-mail: pesq_ufologica@ymail.com

Boa leitura!
Equipe do Blog Na Freqüência.








SONDAS E CANEPLAS

As Sondas e Caneplas são objetos utilizados pelos Seres para rastreamento e captação de dados, podendo também transmitir informações as pessoas que os visualizam.

As Sondas, também conhecidas por Foo Fighters, muito vistas durante a Segunda Guerra pelos pilotos dos aviões, que as descreviam como bolas de fogo ou esferas luminosas que acompanhavam as aeronaves. Pensava-se na época em se tratar de armas secretas dos inimigos, hipótese que foi descartado no fim do conflito aos constatarem que nenhum dos lados possuía tal tecnologia.



Esses estranhos objetos preocuparam tanto que foi criada uma Base Especial por volta de 1940 para a investigação, que era ocultada com o nome de “Operação Uranus”. Esta avaliava os relatos dos pilotos sobre as bolas que surgiam perto dos aviões alemães, sendo pesquisada pelo alto comando militar.

Esses Foo Fighter são chamados dentro da Ufologia Dimensional de Sondas. Elas são Naves menores que podem ou não ser tripuladas, tendo como objetivo central colher dados de locais ou pessoas, podendo ser físicas ou formadas por Plasma.

As Sondas Plasmadas são luminosas e podem atravessar diversos objetos como rochas e árvores, desintegrando-se sem perder sua conexão com a central. Elas podem também se transformar em bolhas de vapor e simplesmente desaparecer no ar.

Já as Caneplas ou Kanepas são um tipo de Sonda que rasga rapidamente o céu, assemelhando-se a meteoritos. São bem visíveis, passam como uma luz muito rápida, deixando um rastro de fumaça por onde passa. As Caneplas deslizam no ar a uma altura de 20 até 80 metros de distância do solo.

A função delas é o rastreamento, assim como a captação de informações e monitoramento de locais e pessoas que sejam do interesse dos Seres, sejam eles dimensionais ou energéticos. Para sua aparição é utilizado à energia do próprio local, através dos vórtices existentes. O aparecimento delas no céu é sinal que tem a presença próxima dos Seres.

Geralmente são confundidas com vagalumes devido à semelhança na cor esverdeada ou azulada, a diferença é que as Caneplas se acedem de forma mais demorada do que o inseto, além de se apresentarem com outras cores, como dourado, vermelho e prateado. Também podem ser confundidas com meteoritos ou estrelas cadentes, mas estes passam a quilômetros de distância do solo, enquanto as Caneplas passam mais próximas.

Elas podem ser vistas mesmo com o tempo nublado, tendo uma duração de visibilidade entre 1 a 7 segundos, sempre deixando um rastro de fumaça característico.



Um item é importante no momento em que for tentar ver uma destas tecnologias, que é saber distinguir os fenômenos naturais, astronômicos dos gerados por mecanismos Extraterrestres, sendo prudente também se informar das rotas de aviões do local onde for fazer a observação.

As Caneplas possuem uma trajetória própria, podendo riscar o céu na horizontal ou vertical, assim como de cima para baixo. Esses detalhes são na verdade códigos qual podemos identificar para saber se teremos algum sinal positivo de avistamento ou não. A simples visualização de uma Canepla já consta como um prenúncio positivo para a noite, dando o sinal da presença de naves, sondas ou mesmo dos próprios Seres.

Se essas Caneplas passam na vertical, riscando na direção do céu para a terra, aponta contato com Sondas, estas que são maiores que as Caneplas, podendo ser tripuladas. Elas buscam mais dados sobre as pessoas, sinalizando a possível continuação do contato.

As Caneplas, na vertical do solo para o céu, mostram a possibilidade de contato com Seres Intraterrenos, assim como na horizontal em qualquer sentido. Se surgir várias Caneplas em sentidos variados, representa contato tanto com Extraterrestres quanto com Intraterrenos e quando elas explodem, haverá contatos de diversos graus.



As cores com quais sinalizam as Caneplas também possuem sua representação.

Luzes Verdes: relacionado a processos de cura;

Luzes Azuis: equilibra a vibração dos presentes;

Luzes Douradas: notificam os tipos de contatos, como exemplo, se estiver no espaço sem piscar, existe a possibilidade de uma aproximação para um contato de 4º grau;

Luzes Vermelhas: piscando, indica que estão apenas observando e captando informações. Se não piscarem, estão transmitindo informações para as naves, onde às vezes segue a aparição da luz dourada;

Luzes Prateadas: estabiliza a vibração do grupo, podendo significar contato de 3º e 4º grau;

Luzes Violeta: significa um convite para conhecer uma nave por dentro.

Agora, se essas luzes se comportarem de outra forma que não brilhar, terá outros significados como mudança de local para continuar o contato, ou então que voltarão dentro de algumas horas.

Não é difícil atualmente manter contatos com os Seres, seja Intraterrenos ou Extraterrestres, sendo fácil a verificação de suas presenças até em reuniões sociais, através de fotos digitais, surgindo bolas ou luzes que não foram vistas a olho nu, estes seriam os Ultras Dimensionais (citados no Blog Freqüência-2, texto “Os Seres”).

Para quem quiser realmente manter um laço mais próximo com esses Seres é recomendado nos momentos que tentar um contato retirar todos os objetos metálicos do corpo, para que não interfira em seu campo energético, diminuindo a interação. Que mantenha a calma para não criar ilusões, assim como não utilizar de bebidas alcoólicas, se o fizer esperar o tempo necessário para que o organismo elimine o álcool que desestabiliza todo o corpo energético.

Manter a mente aberta para que não se crie distorções do ocorrido sempre é recomendável!

Agora se tem curiosidade em saber como acontece um contato ou que tipos de informações pode ser passada por esses Seres, basta seguir ao próximo e ultimo Blog da seqüência que trás a relação dos Graus de Contatos, Relatos de Contatos, assim com vídeos interessantes e links que possuem assuntos relacionados.




Agora que finalizou a leitura do último texto do Blog Na Freqüência-3, clique no link abaixo e continue a acompanhar a seqüência no site seguinte!

NAVES


O que realmente seriam os popularmente conhecidos Óvnis ou Ufos, tão relatados por diversas pessoas e abordados em filmes?

Esses Óvnis ou Naves são veículos elaborados para viagens interplanetárias, sendo observados em diversos modelos, desde os mais comuns como o prato ou discóides, até os cilíndricos. Essas formas são detalhadas pelas pessoas através dos objetos mais próximos de reconhecimento das mesmas para poder explicá-los.

Todos estes modelos entram em uma classificação já abordada no texto “Tipos de Naves”, do Blog Mental-4. Apontados por relatórios da Ufologia Casuística, chega-se ao resumo de 04 modelos de naves, sendo os Discóides, Esféricos, Triangulares e Cilíndricos, dentro destes tipos existe uma variação de detalhes, mas o formato geral se mantém.

Mas existem muito mais do que naves físicas, a Ufologia Dimensional aponta a existência de naves com tecnologias muito mais avançadas, sendo formadas por Luz ou Plasma. Assim como nossa ciência evolui a dos Seres Extraterrestres também, aquelas naves física relatadas nas décadas de 40 a 60, passaram por grandes avanços. Se ainda hoje houver relatos de naves metálicas, ou com materiais semelhantes, deve se tratar de nossa própria tecnologia, ou de Seres de Dimensões densas iguais a nossa.


Atualmente todas as naves vindas de outras Dimensões, surgem em modelos de Plasma ou Luz. O Plasma é bem conhecido por nossa ciência, sendo o quarto estado da matéria. Ele se diferencia dos sólidos, líquidos ou gasosos, por ser em parte um gás ionizado. Ele é uma matéria que conduz eletricidade, respondendo a campos eletromagnéticos, além disso, por ele ter uma quantidade quase igual de íons positivos e negativos, faz com que tenha um comportamento coletivo, sendo adaptável/ moldável. Sua descoberta por nossos cientistas se deu em 1830, durante observações de estruturas gasosas luminosas.

Em nossas residências utilizamos o Plasma através das lâmpadas fluorescentes e das Televisões de Plasma. Alguns exemplos desta matéria na natureza são as Auroras Austrais e Boreais, as descargas atmosféricas, que seriam os raios ou então, os ventos solares que são fluidos ionizados.

Nossa Ciência apenas agora esta começando a trabalhar mais efetivamente em cima desta matéria, algo que os Seres de outras Dimensões já dominam e utilizam como transporte. O outro meio que eles aplicam para suas Naves é a Luz, que é uma radiação eletromagnética pulsante. Ou seja, pensar em Naves Extraterrestres como sendo metálicas e cheias de luzes coloridas, foge com a recente realidade.

Dentre a classificação destas Naves temos a GNA, descrita no texto anterior, que se encontra na estratosfera terrestre podendo ser facilmente vista a olho nu durante o dia ou noite. A GNA emite flashes de luz com intervalos de tempo, existindo uma pausa, podendo ser filmada por quem tiver interesse.

Outra Nave igualmente fácil de ser avistada é a "Nave de Gêmus", sua emissão de luz é semelhante com a "Nave do GNA", mas o brilho é emitido com mais intensidade, formando uma circunferência, ela aumenta gradualmente até atingir seu estado mais cheio e então diminui, tendo uma velocidade menor.

Para os que se aventuram em uma observação noturna, existem alguns cuidados a serem tomados. O primeiro deles é saber diferenciar os satélites e a segunda é reconhecer aeronaves terrenas. Com os satélites a atenção deve ser dada aos Orbitais Iridium, estes possuem antenas de alumínio que refletem a luz do sol, podendo causar a impressão de um flash, adquirindo um brilho que em seguida se cessa. Os demais satélites geralmente ficam parados sob um país, ficando invisível aos nossos olhos ou se movimentam em uma velocidade maior que a rotação da terra, podendo ser visualizados, esses mantêm um percurso linear e são muito pequenos para nossa visão, chegando a desaparecerem em noites de Lua.


Os satélites transitam a uma altura de 500 a 800 km, possuindo um brilho opaco e com tamanho menor que uma estrela, além de não terem iluminação própria. Já as aeronaves, como aviões e helicópteros possuem diversas luzes de sinalização, tendo o padrão de luzes que piscam no centro, em baixo, além de sinalizações vermelhas e verdes como nas asas dos aviões, além disso, elas emitem ruídos em seu percurso.


As Naves Extraterrestres aparecem em uma só cor, sendo brilhantes, já que possuem luz própria e podem sofrer alterações depois do avistamento. Elas mantêm um deslocamento muito mais lento ou rápido do que aviões e satélites, mudando seu percurso ou simplesmente parando. Em alguns casos pode até mesmo aumentar sua dimensão. Lembrando que se trata de tecnologias que utilizam o Plasma ou Luz, elementos quais a nossa ciência ainda esta aprendendo a entender.

Desta forma fica muito fácil identificar o que realmente estamos vendo, se é uma Nave de tecnologia terrena, nossa, ou se é uma Nave com tecnologias Extraterrestres.

GNA


Essa interessante sigla representa uma Nave que se encontra entre as classificações de Naves de Luz ou Plasma pela Ufologia Dimensional. Ela se faz presente desde 1971 nos céus, sendo muito fácil de ser visualizada, parecendo um flash de máquina fotográfica.

As "Naves de GNA" se localizam próximas a estratosfera terrestre, e por estarem acima das nuvens podem não ser vistas com o tempo nublado ou chuvoso. Elas eventualmente se aproximam de casas e pessoas e já foram filmadas por civis, assim como pela NASA.

Suas variações menores são chamadas de “Sondas do GNA”. E a partir de 2009 elas começaram a se apresentar em um padrão diferente, disparando vários flashes seguidos, dando uma pausa e recomeçando em seguida as novas emissões de luzes, essa nova variação do GNA é chamada de “Nave Oscilante”. Anteriormente a Nave apenas solta um flash e pausava.

Através de diversas observações podem-se definir os horários mais fáceis para sua visualização, sendo:



  • 19h30min às 20h30min, podendo ser vista um pouco acima na direção do nascer do Sol ou poente;

  • 23h00min à 01h00min, aparecendo no centro do céu.

Na realidade ela aparece a qualquer horário do dia, sendo que a noite nossos olhos conseguem percebê-las com maior facilidade, devido à menor incidência da luz do Sol. Se prestarmos atenção de dia, ela também aparecerá.

Essa nave ao emitir seus flashes, ajuda a estimular a Paranormalidade, fazendo com que a mente das pessoas trabalhem em um estado alterado, mais acelerado, fazendo com se desenvolva as capacidades mentais.

Quanto mais puder ser observada, melhor para potencializar a mente que necessita nas células maior quantidade de energia para desenvolvimento das capacidades latentes que todos possuem, mas que não sabem utilizar, por falta de conhecimento ou adequação e aceleração das freqüências cerebrais.

Ela se diferencia de qualquer outro objeto apontado no céu, não tendo como ser confundido com avião, helicóptero ou qualquer tipo de balão existente. Suas luzes emitidas como flashes, assim como o tempo de duração de sua presença dão a certeza a qualquer pessoa que conhece os fenômenos astronômicos ou naves terrestres de que se trata realmente de uma Nave de tecnologia mais avançada do que possuímos atualmente. Podendo ser filmada e fotografada por quem assistir sua passagem.

Abaixo segue um vídeo captado pela própria NASA, da "Nave do GNA". Percebam como ela é diferente, não se tratando de um objeto sólido, como estamos acostumados. Ela faz movimentos curvos, emitindo brilhantes luzes em espaços de tempo.


video



ALMAS GÊMEAS


Esse termo abordado e fantasiado por muitos homens e mulheres tem sua base real, não se trata apenas do seu complemento ideal, um amor para casar, aquela pessoa idealizada qual já viveu junto por encarnações seguidas.

A “Alma Gêmea” trata-se de sua polaridade oposta, (+) masculino ou (-) feminino. São energias que provem de um mesmo “Eu Superior”. Existindo certa hierarquia de compatibilidade.

Para facilitar nossa conexão com o “Eu Superior”, enquanto fazemos as viagens de experiência em vários pontos do Universo, foi liberada uma partícula Feminina e outra Masculina, possuindo 10% de energia, já que 90% esta com o “Eu Superior”. Essas partículas pararam perto da Terra (caso atual) e se uniram por fusão, se tornando uma só, podendo ser considerada uma “Zona Neutra”. Após isso, enviaram um pedaço de cada polaridade para cá, estes dois fragmentos Feminino (-) e Masculino (+) recebem o nome de “Almas Gêmeas Matrizes”. Elas recebem as informações do “Eu Superior” e repassam para nós. Como se fosse um filtro, tendo a função de facilitar nosso desenvolvimento na densidade deste planeta.

Agora o que determina uma polaridade oposta ser sua “Alma Gêmea” é o grau de consciência compatível. Jamais são da mesma polaridade, devido ao equilíbrio do negativo (-) com o positivo (+). Quando estas se encontram, existe uma sincronia e potencialidade para realizarem o que quiserem, existindo um amor puro, sem interesses. As “Almas Gêmeas” alcançam até 90% de potência, quando juntas, conseguindo concretizar suas metas, existindo um aumento no grau de consciência de ambas, devido à união das polaridades.

Quando se encontram há um reconhecimento, uma simpatia muito grande e os sentimentos gerados são recíprocos. O contato das mesmas facilita a aceleração de vibrações mais lentas para uma freqüência alterada, sendo positivo para resolução de diversos itens, já que a freqüência mental fica potencializada, fazendo com que nossos pensamentos tenham uma melhor atuação no plano mental.

Seguindo a linha da “Alma Gêmea Matriz”, existe a “Alma Gêmea Irmã”, sendo a segunda em grau de importância.

A “Alma Gêmea Irmã” é um pedaço da “Alma Gêmea Matriz”. Vamos supor que uma determinada partícula com um ponto de origem X, tenha mandado um pedaço seu para o ponto A e antes deste chegar ao seu destino enviou outra para o ponto B, estas duas se tornam “Almas Gêmeas Irmãs”, sendo da mesma Matriz, mas com pontos de origem diferentes, detalhe que as colocam nesta categoria.

Após a “Alma Gêmea Irmã”, ainda existe a “Alma Afim”, que são as partículas de sua “Alma Gêmea”, mas que tem uma consciência diferente da sua, não possuindo muita atração, já que tem outro nível de entendimento evolutivo. Com essas existem 70% de potencialidade para realizações dos objetivos, enquanto com as “Almas Gêmeas Matrizes” são 90% e “Almas Gêmeas Irmãs” 80%.

Além destas ainda temos compatibilidade com partículas de outros “Eu Superiores”, estas são chamadas de “Almas Companheiras”, sendo de polaridades opostas. Entre elas existe uma afinidade e carinho, podendo tornar-se grandes amigos.

Seguindo a linha chegamos as “Almas Cármicas”. Com estas o conhecimento chega a ser semelhante, possuem grande energia, mas há tendências para discussões e brigas, embora isso ocorra nunca se separam. A potencialidade com as “Almas Cármicas” chega até 70%. Sempre são de polaridades opostas, (+) masculino ou (-) feminino, não tendo nenhuma vibração com a “Alma Gêmea”. Geralmente tem muitas vidas juntas.

Todas essas divisões dadas tanto da parte de nossa “Essência” positiva (+), quanto negativa (-), mostram que absolutamente não estamos sós, em parte alguma. Temos dezenas de partículas de nós mesmos espalhados e com cada um, dependendo da fragmentação, temos uma afinidade e nível de consciência.

Em nossa mesma “Essência”, encontramos nossas “Partículas Matrizes”, “Partículas Irmãs” e “Fragmentos”, e em nossa “Essência” de polaridade oposta temos as “Almas Matrizes”, “Almas Irmãs” e “Almas Afins”. Já com “Essências” de outro “Eu Superior”, encontramos nossas “Almas Companheiras e Cármicas”.

Somos de uma mesma Central de Energia, com diversos níveis de consciência e objetivos, de acordo com a ordem da liberação de energia do “Eu Superior”. Chegando ao que somos hoje, neste momento. Abaixo esta um desenho da “Árvore Genealógica” de toda essa explicação das fragmentações, reunindo os aspectos de dois “Eu Superiores” diferentes, assim como o desmembramento de uma mesma polaridade.


CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR


PARTÍCULAS


Como citado no texto anterior, somos provenientes de uma Fonte Central de Energia/ Informação que após uma grande explosão começou a se dividir em diversas partículas, estas com nome de “Eu Superior”, que seguindo na divisão deu origem a “Essência” que por sua vez, também cria novos pedaços.

Toda essa fragmentação se dá para a experiência dos diferentes níveis de consciência nas várias dimensões existentes, um exemplo é a que vivemos neste exato momento.

Quando a “Essência” libera mais uma partícula, esta primeira denomina-se “Partícula Matriz”, que possui a mesma polaridade da “Essência”, positivo (+) ou negativo (-). O diferencial de cada um desses pedaços é o percentual de consciência.

O “Eu Superior” que possui 90% de nossa energia, envia uma “Essência” com uma consciência determinada a um ponto escolhido do universo. Quando este pedaço não consegue cumprir seus objetivos de aprendizado, para ajudá-lo o “Eu Superior” libera mais uma parte possuindo uma consciência maior do que a primeira, estas duas se tornam “Partículas Matrizes” e se auxiliam para alcançar suas metas de conhecimento. Aqui na Terra, com seu grau de densidade, pode haver um numero de até 07 “Partículas Matrizes”, que vem para complementar e ajudar a finalizar a experiência iniciada, quando surge para as demais qualquer tipo de dificuldade.

E como se uma pessoa fosse irmã gêmea de sétuplos, todas saíram da mesma mãe, mas cada um tem níveis de entendimento diferentes, assim como tamanho e peso.

Além dessas divisões já citadas, ainda existe uma segunda divisão, onde uma “Partícula Matriz” libera um pedaço, formando a “Partícula Irmã”. Ou seja, ambas são provenientes da mesma “Essência”, embora elas tenham a mesma freqüência de vibração o nível de consciência é diferente devido à fragmentação.

De forma mais simples, aproveitando o exemplo descrito acima, as “Partículas Irmã” seriam as 07 filhas gêmeas de uma de suas irmãs/ irmãos, algo como, Pais e Filhos, ou então, Tios e Sobrinhos. Cada uma das “Partículas Matrizes” pode ter até 07 “Partículas Irmãs”, ou seja, se cada uma pode ter até 07, poderemos chegar as calculo de 49 “Partículas Irmãs”.

Quanto mais partículas tiverem aqui ou em um mesmo local, representa maior consciência e mais facilidade em fazer o que foi disposto em cada ponto de experiência no Cosmo, lembrando que a numeração de 07 partículas é para o caso da Terra. Todos estes pedaços são partes da mesma “Essência”, que é uma polaridade positiva (+) ou negativa (-) do “Eu Superior”.

Como a “Essência” as Partículas também possuem um ponto de origem que é definida pela primeira encarnação da mesma. Um fator interessante a ser observado é que dependendo da quantidade de energia desprendida para cada uma das partículas do “Eu Superior” é determinado os aspectos físicos de cada um dos pedaços, por tal motivo não é impossível de se encontrar pessoas semelhantes fisicamente em vários cidades e países, e geralmente essas pessoas encontram afinidades entre si. Mesmo sem tomar conhecimento de serem de uma mesma “Essência”.

E para finalizar ainda existem os “Fragmentos”, que são as divisões das “Partículas Irmãs”. Criando uma grande Árvore Genealógica, em termos populares para fácil entendimento, se posicionando no quadro amarelo do centro, temos:


Traduzindo a explicação das divisões do “Eu Superior”, temos o seguinte desenho abaixo, colocando a “Essência”, “Partículas Matrizes e Irmãs”, assim como os “Fragmentos”.


CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR.






EU SUPERIOR


Esse termo é conhecido tradicionalmente por se tratar de nossa alma. A palavra Alma deriva do latim anima, que se refere ao principio que nos ativa, nos movimenta.

O conceito de uma alma imortal, independente da matéria tem seu inicio no principio da humanidade, sendo abordada em diversas culturas ao redor do mundo. Ela é associada em algumas destas, como nossa mente divina, elo entre a nossa energia maior e a matéria.

A ciência moderna busca estudar o homem sem levar em consideração a Alma, já que esta não pode ser observada ou medida. Mesmo assim, alguns cientistas tentam encontrar evidências da mesma através das experiências de quase morte ou com crianças que relatam lembranças anteriores ao seu nascimento.

Mas o que seria realmente o Eu Superior, além da alma?

Se voltarmos a temas de textos anteriores, levando em conta a unidade de tudo os que nos cerca, sendo as partículas formadas por informação, moldando uma só energia, chegaremos ao considerado inicio.

Esta única célula de energia/ informação, vibrava em uma sintonia singular, estando espalhada por tudo, ou pelo nada, como preferir. Ela poderia ser relacionada com o principio Yin e Yang dos orientais, o positivo (+) e negativo (-) unido. Após um longo ou curto tempo existiu uma grande explosão, podendo ser representada com o “Big Bang”.

Com esta explosão foram criadas e espalhadas “partículas”, em número incomensurável, estas passaram a vibrar individualmente e continuaram se expandindo criando o Cosmo, e algumas partículas e micro partículas passaram a se fixar em diversos pontos do Universo, criando as formas de vida em seus diferentes graus de evolução, sendo os reinos animal, mineral e vegetal.

Destas partículas algumas passaram mais próximas do seu núcleo de criação e outras distantes, originando as diferentes dimensões, que possuem distintas freqüências de acordo com a distância da energia central e luz que chega sobre os planetas e sistemas galácticos. As que ficaram mais próximas do centro de criação permaneceram com uma energia mais pura e conforme existe o afastamento vai se densificando, formando o plasma e então a matéria onde nos encontramos.

A partícula de energia que foi desprendida da Célula Primordial é a que leva o nome de Eu Superior, qual nos anima e somos ligados.
O Eu Superior é parte do centro de energia eterna, é a Consciência/ Pensamento manifestando-se individualmente, sendo algo indestrutível e imaterial. Este possui carga bipolar, ou seja, o Yin (-) e Yang (+), e tem um ponto definido no Universo.

Todos nossos fatos de vida e os pensamentos mais íntimos só existem quando o Eu Superior os percebe. Quanto mais conhecimento tiver desta ligação, maior o nível de consciência da pessoa e melhores e mais precisas são suas atitudes. Para manter com uma conexão boa é necessário estar com o cérebro em uma freqüência mais acelerada, acima dos 27 ciclos¹.

As percepções que temos do Eu Superior podem ocorrer por meio de sonhos que parecem reais, onde o subconsciente recolhe informações e transmite a consciência por meio de símbolos ou pela intuição, que utiliza nossa faculdade mental.

A primeira divisão do Eu Superior é chamada de Essência, que já é uma das polaridades dividida, positivo (+) ou negativo (-). Cada uma das Essências pode se dividir em mais pedaços, havendo diversas partículas de uma só essência no Universo. Na Terra, o máximo é sete, devido á densidade do Sistema Solar.

O ponto de origem de uma Essência seria o local onde essa energia encarnou pela 1ª vez, após desprender-se do Eu Superior, iniciando o seu processo evolutivo.

Sendo assim, o Eu Superior pode ser considerado o centro de nossa energia, o pensamento individual e vibração distinta, que dividimos com todos aqueles que fazem parte de nosso mesmo núcleo de criação.


27 ciclos¹ - explicações no texto Níveis Mentais – Superiores e Inferiores (
http://mental-1.blogspot.com)

QUEM SOMOS NÓS?


Pelo menos 90% da população existente sobre o planeta já pensou alguma vez na vida no tema do texto. Quem somos? De onde viemos? O que estamos fazendo aqui?

Talvez nem todos tenham conseguido encontrar as respostas que lhe satisfizessem, mas elas existem. São jogadas de muitas maneiras diferentes e cada um capta a sua forma. O fato é, somos muito mais do que imaginamos.

A cada época surgem novas suposições sobre tudo o que existe. A Terra é plana, quadrada, redonda, etc. São milhares de novas idéias que podemos acreditar como sendo verdadeiras ou não! Mas se formos levar em consideração tudo que existe de pré-idéias, pré-conceitos e todos os demais preceitos, poderemos perceber que estamos mais presos a paradigmas do que poderíamos imaginar.

Por mais que novos estudos na área da física quântica surjam, ainda existem muitos mistérios buscados pela ciência. Antes de tudo nós somos provenientes da mesma base de criação de qualquer matéria e energia no universo.

Possuímos diversos funcionamentos complexos como os sentimentos, que nos fazem grandes desafios diariamente. Muitos já concluíram que nós somos os criadores da nossa realidade, mesmo daquelas que não gostamos muito, nos colocamos em um ciclo de repetições.

Por que fazemos isso se vivemos no universo de múltiplas possibilidades?

Nós estamos tão condicionados a uma rotina de atividades, tão acostumados que talvez tenhamos comprado a idéia de como deva ser nossas vidas e que não temos controle sobre ela. Será?

Acreditamos que o externo é mais real do que tudo que se encontra dentro de nós?

Bem, a realidade física existe obviamente. A nova visão que os estudos científicos têm tomado mostra que tudo o que acontece dentro de nós é o que cria o exterior. Muitos filósofos do passado tinham o costume de dizer que, se sentiram é porque estão vivos, é real, mas isso não passa apenas de uma experiência, uma percepção do que o individuo acha que é real. Alguns experimentos realizados mostram ao conectar o cérebro humano a scanners e computadores que as mesmas áreas na massa encefálica são ativadas, imaginar ou ver faz a mesma reação.

Neste ponto entra a pergunta, quem enxerga os olhos ou o cérebro? Mas o que o cérebro entende como realidade, se lembranças ou a visão do momento ativa os mesmo neurônios?

A verdade é! Nossa incrível máquina de pensar (o cérebro) não sabe distinguir o que esta acontecendo lá fora com o que ocorre dentro, em outras palavras o “lá fora” não existe em teoria.

Neste momento entra a questão, o que é a realidade e o que somos nós?

No nível subatômico, as partículas que nos formam (assim como tudo) ocupam um espaço insignificante tanto nas moléculas quanto nos átomos, elas são chamadas de partículas fundamentais, o resto se resume a vácuo. O que intriga qualquer cientista é que estas partículas somem a todo o tempo e aparecem novamente, e eles se perguntam para onde elas foram?

As possibilidades são: elas se direcionam para universos alternativos, paralelos, ou brincam na linha do tempo. Para as leis fundamentais da física, não há distinção entre passado e futuro, mas nós acessamos o nosso passado, nos recordamos, mas não conseguimos fazer o mesmo com o futuro, surgindo à questão, se nossas ações de agora mudam o futuro, porque não o passado?

Quanto mais tentamos entender a nossa realidade, mais encontramos perguntas. Uma informação interessante é a maior parte do universo esta vazia! A matéria que conhecemos e entendemos quase não tem substância. Se pensarmos no átomo como uma bola bem solida, estaremos equivocados, porque mesmo os núcleos que os cientistas acreditavam até pouco tempo ser a menor partícula física, puderam observar que ele também aparece e desaparece como os elétrons, ou seja, a coisa mais solida que pode existir ali é um pensamento, uma informação. Resumidamente o que faz tudo que conhecemos são os pensamentos e informações.

No final das contas não chegamos a encostar em nada que tocamos, os elétrons simplesmente criam cargas que repelem os demais elétrons, isso nos dá a impressão do toque. Além desses detalhes os elementos atômicos, luz e formas eletromagnéticas se comportam como partículas e às vezes como ondas, assim como também se expandem em todas as direções e tudo isso varia de acordo com o simples observador. O que era esperado em uma experiência pelos cientistas ocorre e aparentemente o detalhe de “interferir com o pensamento” altera todo o resultado.

O que pensamos ser físico/sólido na verdade existe em superposição, existindo milhares de possibilidades de posição, esta é determinada no momento em que olhamos.

Existem no mundo muitas realidades em potencial e nós a escolhemos.

Há uma coisa que necessária que entendamos, nós temos o hábito de pensar que tudo ao nosso redor esta ali sem a nossa mínima contribuição, isso é absolutamente errado! Tudo, nossas roupas, móveis, casas são movimentos de nossa consciência. Nós escolhemos tais situações para experimentá-las. Quando o próprio mundo subatômico foi descoberto pela ciência, foi constatado que os átomos não eram objetos e sim tendências.

Experimentos já conseguem deixar um mesmo “objeto” em dois lugares ao mesmo tempo, algo físico.

Os cientistas já tentaram encontrar o fator “observador” em nosso cérebro, aquele que faz a experiência alterar o resultado e absolutamente nada foi encontrado, córtex, sub-córtex, nada foi achado. Então o que seria ele?

Este seria a consciência.

Apenas não criamos nossa realidade da forma que queremos por não acreditarmos realmente na possibilidade.

A evolução da ciência nos aponta que a nível sub, somos na apenas uma única formação, estando interconectados. Somos nossas células, que são nossos átomos onde por sua vez é informação, energia.

Mas no final das contas, quem somos nós?

Se avaliarmos certo, nós somos os Criadores das realidades que se apresentam. Nós somos parte do todo que recebe diversos nomes. Somos formados de energia, informação e no final das contas e equações, fazemos parte de uma mesma coisa, qual ainda tentamos entender dentro dos métodos qual nos regramos. Apenas falta percebermos com convicção que podemos criar qualquer coisa, pois somos a possibilidade.

Mas para tentar entender como afinal paramos neste momento e corpo, seguiremos ao próximo texto que lida exatamente com este detalhe.